A pronúncia de ざ、ず、ぜ、ぞ

Hoje, gostaríamos de postar sobre o comentário do nosso leitor Vinicius. Ele nos escreve o seguinte:

“Gostaria de pedir, se possível, que vocês comentassem um pouco sobre a pronúncia das sílabas za, zu, ze e zo.
Até hoje a maioria das professoras que me deram aula pronunciavam estes sons assim como no português (ex. zebra).
Entretanto, tive duas professoras que vieram do Japão e notei que várias vezes elas pronunciavam como “dza”, “dzu” etc. (por ex. “dzubon”).
Afinal, existe alguma regra ou maneira correta de pronunciar estes sons?”

Antes de mais nada, deixaremos claro que não utilizaremos nenhum termo técnico relativo à fonética e fonologia para comentar sobre este assunto.
Por esta razão, esta postagem pode acabar deixando um pouco a desejar em termos de precisão da descrição dos sons da língua. Pedimos a compreensão de todos, pois acreditamos que nem todos os leitores são especialistas nesta área, mas estão muito interessados em aprender a língua, também.
Quanto à pronúncia dos sons “za”, “zu”, “ze” e “zo” na língua japonesa, se compararmos à pronúncia deles nas palavras “azar”, “azul”, “zebra” e “zombar”, talvez as palavras japonesas possam ficar com a pronúncia destes sons como o Vinicius descreveu acima, ou seja, “dzabuton” (almofada), “dzutto” (continuamente), “dzenbu” (tudo), “dzoo” (elefante).
Porém, como esta diferença de sons não interfere no significado das palavras em japonês, os falantes nativos, muitas vezes, nem se dão conta que existe esta diferença de sons notada pelo Vinicius.
Porém, se pensarmos na diferença entre o som “ji” em “giga” e “di” em “diga”, notamos que há diferença no significado das palavras em português. No entanto, em japonês, não haverá esta distinção entre os sons “ji” e “di”. Na maioria das vezes, a pronúncia deste som nas palavras japonesas aproxima-se mais do som “dji” (como na pronúncia da palavra “diga” pelos paulistanos) do que do som “ji” de “giga”.
Há também variações regionais para a pronúncia destes sons em japonês. Portanto, há japoneses com a pronúncia mais próxima ao que estamos acostumados a fazer no português e também, os que pronunciam como se tivesse um som similar ao “dz”.

Esta entrada foi publicada em Fonética e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

7 respostas a A pronúncia de ざ、ず、ぜ、ぞ

  1. Pois é, Julio:
    Os sons em línguas diferentes, por mais que se pareçam, tem as suas peculiaridades! Sobre o ‘NGA” (risos), escrevi em uma postagem anterior, sobre “bidakuon“. Dê uma olhadinha! Obrigada por prestigiar este espaço!

  2. Caruso disse:

    Muito interessante essa questão da diferença entre os sonz de Z de zebra e Z de japonês, como em zubon, por exemplo. Eu também, embora nunca tenha feito nenhum estudo mais detalhado do ponto de vista fonético, já havia percebido esta diferença. Realmente, acho que não é o mesmo Z que estamos acostumados a pronunciar em português. Mas concordo que para o falante nativo de japonês, mesmo que não seja totalmente pronunciado da mesma forma, ou seja, dzubon ou zubon, não faz muita diferença. Posso estar falando besteira, mas acho que seria a mesma questão do GA. Existem duas maneiras de se pronunciar, mas que hoje em dia não faz tanta diferença. Uma seria mais próxima do GA que pronunciamos como eu GAto, por exemplo. E outra, muito comum antigamente em japonês é a que seria quase um NHGA…rs…nem sei como descrever. mas creio que saberão do que estou falando, não?! rs. Bom, é isso aí! Muito legal esse espaço para comentar temas como estes e trocar ideias. Parabéns!

  3. アントニオ disse:

    Oi, Mayumi, tudo bom?

    Sim, eu concordo com você!!!Acho que o interessante é analisar em que sentido é diferente! Eu acho essa parte da fonética maravilhosa!Apesar de ter pouco conhecimento, é uma área que me atrai muito!!

    ;)

  4. Vinícius Monfernatti disse:

    Muito obrigado pela explicação!
    Realmente este assunto é muito interessante.
    Conheço um casal de isseis idosos que vieram da região de Fukushima e é muito difícil enender o que eles falam! Pronunciam “iji”, no lugar de “ichi”(um), por exemplo. É bem peculiar!
    Enquanto outros que vieram de Tokyo ou Kyoto já têm a pronúncia bem mais clara e com “menos sotaque”.

    Como a própria sensei disse, é mais interessante identificar em que sentido as pronúncias são diferentes. Isso enriquece muito o estudo.

    Aguardo as próximas postagens!

    Vinícius

  5. Oi, Antonio:
    Obrigada pelos comentários! Estávamos conversando aqui sobre a pronúncia dos nomes japoneses (será que são só para nomes japoneses?) pelas pessoas do Pará! Eu, pelo menos, quando estive por aí, o pessoal me chamava de “Mayumí”. E as minhas colegas também eram todas chamadas com o acento na última sílaba do nome.
    Sobre a pronúncia variada do japonês no Brasil, como tivemos imigrantes de várias regiões do Japão, além de termos a interferência da pronúncia do português no japonês, o natural é ficar bem diferente da pronúncia do japonês padrão. Porém, eu particularmente, não vejo problema em ser um pouco diferente (vide inglês falado em várias regiões e por pessoas que não são nativas na língua). O problema é quando a pronúncia fica tão diferente que não conseguimos entender o que está sendo falado! Kkkk.
    Temos pesquisas nesta área de fonética sobre a pronúncia dos japoneses que moram no Japão e dos que imigraram para outros países, como aqui para o Brasil! Portanto, em vez de pensar qual seria o problema de uma pronúncia diferente, acho que poderíamos pensar em que sentido ele é diferente! Assim, poderemos tentar aproximar a pronúncia da do japonês padrão, a fim de sermos melhor compreendidos!
    Ficamos no aguardo de seus comentários! Muito obrigada!

  6. アントニオ disse:

    Ups, só pra adicionar um comentário sobre o que eu mesmo escrevi, eu e minha sensei vimos que a pronúncia dos nomes estava incorreta.

    Agora, quanto as palavras, eu aprendi a falar com um ”e” um pouco alto, mas não exageradamente alto!!

    gomen nasai, né! faltou explicar isso! muitas idéias na cabeça, acaba ficando assim! kkk

  7. アントニオ disse:

    Esse tema é bem profundo, eu acho. Porque, depende muito da palavra, da região…Mas, acredito que o convívio com os japoneses é a melhor forma para assimilar.

    Eu notei uma coisa engraçada, nas colônias japonesas que eu já frequentei, nesse quesito entonação e pronúncia. Em Manaus, eu vejo que muitos nisseis e sanseis que falam bastante japonês em casa, tem uma entonação mto alta nas palavras com “e” e “o”. Por exemplo, eu acho muito comum, em Manaus eles falarem iké(池), é (絵)e ué(上). Já aqui em SP, muitos conhecidos falam essas palavras como “e”pra baixo, como se fosse “ikê”, ”ê” e ”uê”.
    Já em Belém, eu percebi que todos, principalmente em nomes, falam a última sílaba com muita força, muito alto, sendo algo meio forçado. Por exemplo: noriKÓ, taeKÓ…A principio eu achei MUITO estranho quando vi…Perguntei de minha sensei,que formou em faculdade japonesa, sobre isso, pq eu acha muito estranho, estudamos e vimos que realmente, a entonação estava errada.
    Eu acho esse assunto de pronúncia muito fabuloso, gosto mesmo, aí acabo falando, falando, falando…kkk Peço desculpas, mas eu me perguntava muito “e agora?com toda essa diferenca, como farei para dar aula?”. Segui o conselho básico, perguntar sempre de um japonês a pronuncia correta e estar sempre atento, ouvindo bastante, para chegar a pronuncia mais parecida. Eu como Brasileiro, tenho como maior preocupação minha pronúncia, é algo que eu sempre procuro melhorar, lógico que didática, aprender mais gramática, kanjis e etc é fundamental também!Mas, sempre me preocupo com “putz, será que estou falando correto?será que o hatsuon desta palavra está certa?”

    Bem, acho que escrevi muito. GOstaria de saber a opinião de vocês sobre o tópico e o que vocês acham sobre essa grande diversidade de pronúncia dentro das colonias japonesas!
    Um abraço,
    Antonio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>